Opinião: Quais são as melhores estratégias no Facebook?

Alexandre Hohagen, Vice-Presidente do Facebook na América Latina, responde a sete perguntas:

A beleza de uma noiva está nos detalhes. Juntos, o vestido, o penteado e o bouquet compõem a personagem principal de uma tradição milenar. A noiva da vez entre as estratégias de Marketing das empresas é o Facebook. O maior desafio das companhias é levá-la ao altar de forma incomparável e fazer com que os noivos sejam felizes para sempre. Do namoro até o beijo do sim, o caminho é longo.

Funciona assim também para desenvolver uma estratégia vencedora utilizando a rede social apontada como o segundo Deus da internet mundial, tão ou até mais onisciente e onipresente que o Google. A maioria das marcas no Brasil ainda namora o Facebook à moda antiga. Flertam de longe. Poucos seguram a mão sentada no banco da praça. Algumas conseguem o tão esperado beijo. O que fazer para avançar algumas décadas e partir para, digamos, uma pegada mais forte?

Escalamos Alexandre Hohagen como cupido. O Vice-Presidente do Facebook na América Latina acredita numa fórmula do amor: colocar as pessoas no centro da estratégia, pensar no conteúdo e só depois na ferramenta. “O comportamento das pessoas não mudou”, afirmou em sua apresentação no Digital Age, na última semana. “O que mudou foram as ferramentas. Continuo perguntando para os meus amigos, indicando e comentando sobre um bom restaurante”, explica, para na sequência conceder uma entrevista ao Mundo do Marketing.

Mundo do Marketing: Quando o novo formato do Facebook estará disponível para o Brasil e o que muda para as marcas que estão na rede social?
Alexandre Hohagen: Não tem uma data específica. Estamos abrindo e lançando aos poucos. O mais importante é a possibilidade de ter novos plugins sociais. As empresas poderão criar alguns botões com ações como, por exemplo, “assisti a um vídeo”, “ouvi uma música”, “fui a um restaurante”, entre outros. Isso vai possibilitar conectar mais as pessoas naquilo que elas estão fazendo. Hoje só tem o botão de Like que representa tudo.

Mundo do Marketing: Está havendo uma corrida das marcas ao Facebook. O que as empresas devem fazer para apresentar um bom trabalho?
Alexandre Hohagen: Historicamente, a internet é feita por algumas ondas. Foi assim quando surgiram os portais e os buscadores e muitas empresas acabam entrando só por entrar. Em 2000, um monte de empresa montou o seu e-commerce sem ter uma estratégia por trás. A tendência é que, daqui para frente, as empresas comecem a pensar na estratégia colocando as pessoas no centro. Simplesmente colocar uma fan page no ar não é pensar em rede social, que pensa em atrair pessoas para comprarem seus produtos.

Mundo do Marketing: A ferramenta é um meio, não um fim.
Alexandre Hohagen: O comportamento das pessoas não mudou. A tecnologia e as ferramentas é que possibilitam uma melhor interação.

Mundo do Marketing: Quais modelos de estratégia trazem mais resultado no Facebook?
Alexandre Hohagen: A partir do momento que você tem uma fan page, você tem que atrair as pessoas para que elas possam se transformar em fãs desta marca. E aí você tem a propaganda tradicional por CPM ou CPC para levar estas pessoas à marca. A propaganda, em geral, dá muito resultado.

Mundo do Marketing: Como as pessoas têm reagido à propaganda no Facebook?
Alexandre Hohagen: Temos uma preocupação muito grande para que a propaganda não seja invasiva e intrusiva. Estamos sempre tentando contextualizar esta propaganda de maneira que o usuário não se assuste com o que está dentro da rede. O usuário reage bem e a prova disso é o tanto que estamos crescendo e as marcas que estão crescendo do jeito que estão. Temos marcas que já passaram de um milhão de fãs no Brasil, um número muito grande, como o Guaraná Antarctica e a L’Oreal .

Mundo do Marketing: Como as empresas devem pensar para poder inovar nas redes sociais?
Alexandre Hohagen: Elas devem pensar colocando as pessoas no centro da estratégia de tudo. Como elas podem fazer para que seja muito fácil e rápido compartilhar informações importantes para os seus amigos e sempre considerar que as pessoas têm uma capacidade de viralização muito grande.

Mundo do Marketing: O Facebook é indicado para gerar mais awareness, relacionamento ou venda?
Alexandre Hohagen: Acho que os três. O Facebook tem cada vez mais refletido a nossa experiência no dia a dia. O Facebook é uma base de relacionamento. Só que hoje você não faz mais awareness só com publicidade. Você faz awareness através das indicações e recomendações de amigos.

via: Mundo do Marketing

Anúncios
Publicado em Opinião, Redes Sociais | Deixe um comentário

Glossário: Dicionário business/e-commerce.

A     
24×7 – Referência a algo que fica aberto 24 horas durante os 7 dias da semana. É o caso das lojas no comércio eletrônico.
Abertura de Capital –  Processo pelo qual a propriedade de uma empresa fechada é transferida total ou parcialmente, para um grande número de pessoas que desejam dela participar e que não mantém, necessariamente, relações entre si ou com o grupo controlador.
Ação nominativa – Ação que identifica o nome de seu proprietário. Sua transfer~encia deve ser registrada em um livro da empresa denominado Livro de Registro de Ações Nominativas.
Ação ordinária – Ação que dá ao seu proprietário o direito de voto em Assembléia.
Ação Preferencial  –  Ação que não dá direito de voto a seu titular, mas tem preferência no recebimento de dividendos e, em casos de dissolução da empresa, no reembolso do capital.
Acesso – Hit – Cada vez que o servidor é acessado em busca de uma imagem, texto, arquivo, etc. Não confundir com visitas.
ADSL – (Linha de Assinante Digital Assimétrica) Tecnologia digital para transferência de dados que opera nas linhas telefônicas de cobre existentes.
Ad views – Número de vezes que um anúncio é visto em um determinado período de tempo em uma página de Internet.
Afiliado – Uma organização com a qual é realizado um acordo formal para a venda ou divulgação de produtos ou serviços com eventual contrapartida financeira.
Agito (buzz) –  Forma de divulgação de uma empresa utilizando-se a mídia, eventos e fatos para gerarem notícia.
Angel investor – pessoa física ou empresa disposta a investir na startup. Muitas vezes, é literalmente o pai, um parente próximo ou um amigo do empreendedor e eventualmente, até um recurso a fundo perdido.
Anunciante – Aquele que assina a propaganda e é responsável pelo seu conteúdo.
Anúncio – Mensagem comercial para veículos impressos. Para outros meios, como rádio e TV, a palavra mais freqüente é comercial.
Applet – pequeno programa cuja função é animar textos e figuras na Internet. O applet sempre aparece incorporado ao conteúdo de uma página de Internet.
Audiência – percentual de pessoas atingidas pelos veículos de comunicação. Por exemplo: 46 pontos de audiência significa que 46% da população da área em estudo assistiu a um programa, no caso da televisão, ou visualizou uma página, no caso da Internet.
Auto responder – Programa que responde automaticamente as mensagens, utilizando informações programadas.
B  
B2B ou Business-to-Business – Refere-se a transações de negócios realizadas entre empresas através da Internet.
B2C ou Business-to-Consumer – Refere-se à venda de produtos feita na Internet diretamente para o consumidor.
Backbone –  Conjunto de redes e sub-redes por onde flui em alta velocidade todo o tráfego da INTERNET.
Banner – Propaganda em forma de imagem gráfica utilizada na página da Internet. Normalmente, possui um link direcionando para um site promocional ou que traga mais informações sobre o produto mencionado na propaganda.
Break-even point – é o ponto de equilíbrio, quando as receitas da empresa se equivalem às despesas.   Quanto mais tempo a empresa estiver operando no vermelho, maior a chance de se inviabilizar por falta de capital. Uma das principais causas da quebradeira das ponto-com em 2000 foi o descuido com esse “pequeno” detalhe. Esse quadro já mudou e hoje, o equilíbrio financeiro em um prazo não muito longo, é uma das principais preocupações dos empreendedores e investidores.
Bit – Significa dígitos binários.  Um sistema é construído a partir de duas unidades de informação: 0 ou 1. Cada uma delas é um bit.
Bitmap – Um dos formato de arquivo de imagem utilizado na Internet.
Break – Intervalo comercial em rádio e TV.
Browser ou navegador – Programa de software que permite que o computador tenha acesso à Internet, como o Explorer, Netscape ou Ópera.
Byte – Conjunto formado por oito bits. Bit é a menor unidade digital de informação, representada por 0 ou 1.
Burn rate – A velocidade que um negócio gasta com os fundos de investimento.
C
Cable modem – Conjunto de placa e software que codifica e decodifica os sinais de computador através de cabo, permitindo a comunicação em rede. A transmissão de dados é similar à da TV a cabo. O cable modem possibilita a transmissão de informação em uma velocidade, no mínimo, 125 vezes mais rápida do que no modem comum, que utiliza a linha telefônica para transmissão de dados.
Cadeia de suprimento (Supply Chain) – Todo o processo de aceitação de um pedido de um cliente até a entrega do produto, incluindo as fontes de suprimento.
Campanha – Série de peças de propaganda, anúncios, comerciais e cartazes, etc. de um produto, serviço, marca ou empresa, para um ou mais meios.
Capa interna – Também denominada segunda e terceira capas. Qualquer uma das capas interiores de uma revista. Caracteriza-se por maior preço de tabela em relação às páginas internas.
Capital Social –  Total de recursos próprios dos sócios mobilizados para a constituição de uma empresa.
Outdoor – Modalidade de publicidade exterior na qual a mensagem é impressa em folhas de papel, coladas sobre chapas metálicas, emolduradas por madeira pintada. Usualmente com 32 folhas.
Categoria de produtos – Agrupamento mais específico (de itens) dentro do setor econômico.
Centimetragem – Área de um anúncio de jornal, que é a multiplicação do número de colunas pela altura em centímetros (cm x coluna).
CG – Comitê Gestor Internet do Brasil, órgão do governo brasileiro.
Chamada – Mensagem publicitária que promove programas ou eventos especiais, no meio em que é veiculada.
Cheque eletrônico – Um tipo de transferência eletrônica de recursos financeiros que pode ser entregue a uma empresa on-line para depósito em uma instituição financeira on-line.
Chat – Página que reúne usuários conectados simultaneamente no mesmo serviço para troca de mensagens em tempo real. Também conhecido como sala de “bate-papo”.
Ciberespaço – Assim como Ambiente Virtual. Conjunto das redes de computadores interligados e de toda a atividade aí existente.
Cisão – Operação na qual uma empresa tem seu patrimônio dividido e transferido para uma ou mais empresas constituídas para esse fim.
Click ou clique – Quando o usuário seleciona qualquer elemento da página, como um link ou banner,  usando a tecla do mouse.
Click rate (click through ou click through rate) – Percentual de cliques que um banner ou outro elemento publicitário gera. Para calcular o click rate, divide-se o número de cliques pelo número de exibições do banner.
Click Stream – Caminho percorrido pelo Internauta ao clicar nos links de um ou mais sites.
Comércio Eletrônico – e-commerce – Negócios realizados eletronicamente envolvendo entrega de mercadorias ou serviços.
Comunidade de Valor – ou Comunidade Virtual – Um conceito da WEB na qual os visitantes de um determinado site se identificam e interagem como pertencentes a um grupo com identidade de interesses ou características.
Contracapa – Capa oposta a frontal de uma publicação. Também chamada quarta capa. Seu preço é superior ao das capas internas.
Conselho de Administração –  Órgão de deliberação colegiada eleito pelos acionistas. Responsável pela nomeação, fiscalização e destituição de diretores e convocação de Assembléia Geral.
Conteúdo –  Arquivos, textos, imagens,.. contidos em um Web site. Um bom conteúdo é considerado imprescindível para o sucesso de um site.
Controle Acionário – Poder de decisão sobre a empresa, garantido pela posse da maior proporção de ações com direito a voto.
Cookie – Pequeno arquivo que fica armazenado no computador do usuário e guarda todas as informações importantes sobre sua navegação. O cookie permite que um site tenha um histórico da navegação do usuário e, assim, personalize o conteúdo do site de acordo com o perfil de cada Internauta.
Correio eletrônico ou e-mail – sistema de troca de mensagens eletrônicas através de redes de computadores.
CPM (Custo por Mil) – forma de cálculo para pagamento de anúncios. Um determinado valor é cobrado a cada mil vezes que um anúncio é impresso na tela do computador.
CPV – Custo por visitantes. O valor de um anúncio é dividido pela quantidade de visitantes de um site.
Criptografia – Técnica para converter um arquivo ou mensagem utilizando uma codificação secreta, mantendo, assim, os dados do usuários em segurança. É necessário que os dois usuários tenham o mesmo software para que o arquivo seja decodificado e compreendido.
D
Domínio – A  marca de um negócio na Internet. Por exemplo, a empresa Yahoo! (propriedade) é dona das marcas Yahoo.com e Geocities.com (domínios).
Domínio público – Algo que está na rede e é disponibilizado de forma gratuita.
Download – Transferência de um arquivo. Fazer um download significa copiar um determinado programa para o seu computador, sempre utilizando a Internet como fonte.
Duração – É o tempo do comercial, medido em segundos, também chamado de secundagem.
Duração da visita – Tempo que o usuário fica conectado à Internet.
E
E-book –  Livros escritos em formato eletrônico.
E-Business – Qualquer empreendimento baseado na WEB, ou,  as transações de negócio feitas entre empresas pela Internet. Normalmente é utilizado em seu lugar o termo e-commerce, embora não tenha a mesma abrangência.
E.B.I.T.D.A. –  E arnings B efore I nterest, T axes, D epreciation and A mortization, ou seja, é o ganho líquido de uma empresa antes da contabilização dos juros (Interest), impostos (Taxes), depreciação(Depreciation) e pagamento de dívidas (Amortization). É um dos muito parâmetros utilizados para se avaliar a lucratividade e valor de uma empresa.
E-procurement – A palavra “procurement” significa de adquirir, comprar.  Acrescentando-se o tradicional  “e” tem-se processo de compra realizado de forma eletrônica. É uma aplicação ou um site que tem por objetivo a aquisição de mercadorias, geralmente suprimentos.
Econet – 1.Rede de pessoas (ecology +network)  interessadas em assuntos ligados a ecologia e ambientalismo.  2. Rede de empresas  de Comércio Eletrônico (e-commerce + network) que possuem  sinergia e atuam de forma integrada.
E-Mail – Significa Electronic Mail, em português: Correio Eletrônico. São as mensagens trocadas pelos Internautas em programas como Outlook Express ou Lotus Notes, etc.
E-zine –  Revista on-line enviada com regularidade a uma grande quantidade de leitores.
EDI – Eletrônic Data Interchange –  Troca de dados realizada em formato eletrônico especifico.
Edição – É o número de uma publicação.
Editora – Empresa responsável pela publicação de veículos de mídia impressa – revistas e jornais.
E.R.P – Enterprise Resource Planning – Planejamento de Recursos para um empreendimento na qual os sistemas utilizados são integrados.
Espaço – Unidade de medida da mídia reservada pelos Veículos, para inserção de mensagens publicitárias.
Extranet – É uma rede de computadores interligados exclusiva, montada, normalmente, para comunicação e desenvolvimento de negócios entre uma empresa, seus clientes e fornecedores.
F     
FAQs – Frequently Asked Questions, ou seja, são as dúvidas mais freqüentes dos visitantes de um site com  a apresentação de suas respectivas respostas. É uma forma de facilitar o trabalho dos call-center e suportes.
Flash – Linguagem de programação que torna possível a animação de textos e figuras na Internet de forma interativa.
Frame – Moldura ou subdivisão da tela de um site.
Freeware – São programas gratuitos que, normalmente, podem ser conseguidos diretamente na Internet, via download.
Frequency – É o número de vezes que um único usuário acessa uma página.
FTP – Abreviação de File Transfer Protocol. É uma maneira mais rápida de transferir dados entre computadores interligados à Internet. Um sistema FTP é  utilizado, por exemplo, por um Web Master para transferir arquivos do cliente para o servidor.
Fusão   (Merger) – Operação pela qual se unem duas ou mais sociedades para formar uma nova sociedade, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações.
G   
GIF   – Abreviação de Graphic Interchange Format. É um formato gráfico com grande capacidade de compressão. A maioria das imagens na Internet é um GIF.
GIF animado – Formato gráfico que parece se mover ou se alterar como resultado de várias camadas de imagem.
Gross exposures – Trata-se de termo publicitário que indica a quantidade total de vezes que um anúncio é visto.
Grp – É a sigla para Gross Rating Point , cuja tradução é Ponto Bruto de Audiência. Além da soma das audiências, o GRP é o número representativo do cálculo realizado de acordo com a fórmula: audiência do programa x número de inserções.
H   
Hacker –  Pessoa com conhecimento de programação e segurança,  que invade sistemas externos, quebrando bloqueios de senha e alterando dados.  Embora ainda não esteja tipificada legalmente, essa prática é considerada criminosa.
Hits – (Batidas)  Utilizado nas estatísticas de visitação de um site. Significa a quantidade de elementos (textos, imagens,..) que foi descarregada do provedor para o computador do visitante. Não é um bom indicador de mercadológico do site na medida em que esse número se altera  conforme  a quantidade de elementos de cada página. Um site cheio de penduricalhos, tem um  números de hits por visita muito maior.   Veja também Visitas
Holding – são conglomerados de empresas que operam em determinados países ou região. Elas selecionam projetos que tenham capacidade de expansão internacional. Assim como as incubadoras, oferecem capital, consultoria e infra-estrutura. A regra é manter relacionamentos de longo prazo.
Home page – É a primeira e mais importante página de um site. Com freqüência o termo é usado também para se referir ao site como um todo.
Hospedagem – É o processo de armazenagem de páginas para a Internet em um computador denominado servidor. Este equipamento está conectado ininterruptamente a uma rede mundial que liga os computadores.
Host – Computador conectado à Internet onde um site é hospedado para poder ser acessado pelos usuários.
Hotsite, sitelet ou mini-site – Funciona como um site comum, mas, normalmente, é menor, mais objetivo e fica no ar apenas em um determinado período.
Html ou htm – significa Hyper Text Markup Language. É a linguagem padrão de formatação de documentos para a Internet. (ver também XML
Http – Hypertext Transport Protocol.  Protocolo de comunicação utilizado na transferência de páginas da Internet.
I
ICQ – em inglês, significa I Seek You (Eu procuro você). É um programa que possibilita às pessoas se comunicarem em tempo real.
Incubadora – o termo, emprestado dos aparelhos que mantém bebês prematuros nos hospitais, não poderia ser mais adequado. Uma incubadora de negócios tem a função de prover toda a estrutura necessária para que a startup funcione – por exemplo, espaço físico, consultoria estratégia, infra-estrutura tecnológica e até mesmo capital. O termo chegou ao Brasil através das incubadoras instaladas nas grandes universidades, que apoiavam os projetos desenvolvidos pelos alunos. Desde 2000, começaram a proliferar por aqui as incubadoras privadas, bastante voltadas para o mundo pontocom. Elas trocam o capital e o apoio de estrutura por uma participação acionária na startup. Hoje existem aproximadamente, 135 incubadoras em atividade no Brasil
Inserção – Ato físico da veiculação da publicidade.
Interatividade – Relativo aos meios de comunicação que permitem ao usuário intervir e controlar o curso das atividades. A Internet pode ser considerada o melhor exemplo, pois permite ao Internauta alterar padrões visuais, participar de atividades com outros Internautas, etc.
Internauta – Pessoa que navega (visita vários sites) na Internet.
Internet – Teve início em meados de 1969 pelo Departamento de Defesa do EUA. É a interligação de computadores das mais variadas regiões em uma mesma rede, possibilitando a comunicação em tempo real. Os computadores podem ser ligados por linha telefônica, rádio, satélite, fibra ótica, etc.
Intranet – O conceito é o mesmo da Internet, mas o acesso não é aberto, ou seja, apenas pessoas autorizadas podem acessar uma Intranet. Normalmente, é usada por empresas ou instituições para comunicação entre os funcionários.
IP – Abreviação de Internet Protocol. É uma das linguagens, ou protocolos, mais importantes da Internet, responsável pela identificação das máquinas e redes e pelo encaminhamento correto das mensagens entre elas. Todo endereço na Internet é compreendido pelos servidores, que armazenam os site, como uma seqüência numérica, como se fosse um número de RG. A isto é dado o nome I.P.Adress.
IPO – sigla de Initial Public Offering, a oferta inicial de ações nas bolsas de valores, ou seja, a abertura de capital da empresa. Há algum tempo atrás, era considerada a mina de ouro de muitas startups, uma vez que o preço inicial das ações era multiplicado por dezenas, centenas e até milhares de vezes em um curtíssimo período de tempo. Essa espécie de “exuberância irracional”,  como dizia Alan Greenspan, já não existe mais
Item – É o descritivo do produto anunciado, no sentido amplo do termo:
Produtos de Consumo = leite, cerveja, desinfetante, cigarro, livro, adubo, etc.
Bens Duráveis = automóvel, televisor, fogão, microcomputador, mesa, tapete, etc.
Serviços = transporte, locadora, cabeleireiro, escola, etc.
Comércio = loja, supermercado, shopping center, etc.
Entidades, Empresas ou Instituições = banco, indústria têxtil, construtora, governo,     editora, gravadora, emissora de rádio, circo, etc.
Idéias, Conceitos = campanhas de cunho social, político, etc.
J  
Java ou Java Scrip – Uma das linguagens de programação usadas na Internet para criação de desenhos, textos e pinturas animadas interativas.
JPEG – Significa Joint Photografic Expert Groups. É um formato de arquivo de imagem utilizado com freqüência na Internet.
K   
Kbits – Abreviação para quilobits por segundo, unidade de velocidade de transmissão de dados.
Keyword – Palavra-chave para utilização em um sistema de busca.
L     
Link – Conexão entre duas páginas ou dois sites. Ou seja, quando o Internauta seleciona uma palavra ou figura com link é levado ao assunto desejado, que pode estar em outra página do site ou mesmo em outro site.
Login – Identificação de um usuário na rede solicitada por alguns site para serviços exclusivos ou personalizados. O login é formado pela senha do usuário e uma identificação.
Logomarca – Desenho característico que identifica uma instituição, empresa ou produto. Pode eventualmente fundir-se com o logotipo da empresa, tornando-se indissociável.
Logotipo – Palavra ou letra com desenho característico, pela forma tipográfica ou decorativa, de marca industrial ou comercial, que identifica um produto ou empresa.
Logout – Ação realizada para sair de uma página na qual o usuário tenha digitado seu login (conjunto de senha e identificação). Basicamente, o logout é uma “quebra”desta identificação, o que evita que outros usuários possam utilizar um serviço exclusivo.
Love Money – É o Capital Inicial com que os empreendedores contam para iniciar seu negócio sem contrair encargos financeiros, em geral oriundo de suas poupanças pessoais ou de seus familiares.
M   
Mail Box – Caixa de correio.
Mailing List – Lista de distribuição de endereços eletrônicos.
Mailto –  O protocolo Internet usado para enviar mensagens de Correio Eletrônico
Marca – Nome do produto veiculado em campanhas publicitárias. Pode ou não conter uma sub marca ou um complemento de marca.
Massa Crítica – Conceito: Quantidade de clientes ou usuários necessários para viabilizar um produto, empreendimento ou mercado.  É a meta fundamental de toda empresa ponto-com.
M-commerce – comércio móvel realizado através de celular
Media – Termo em Inglês para Mídia, significa meios de comunicação, veículos
Meio de comunicação – Um conjunto de veículos, canal, uma mídia. Exemplo: televisão, rádio, jornal, revista, outdoor, etc.
Mercado de Capitais – Conjunto de empresas, investidores, instituições intermediárias e entidades reguladoras que executam ou promovem operações envolvendo valores imobiliários ou seja, destinados a investimentos fixos ou de longo prazo das companhias abertas.
Merchandising – É o aparecimento de produtos, em programas, com ou sem comentários sobre os mesmos. São considerados como merchandising, também, as citações de apresentadores com ou sem aparecimento de logomarca.
Mídia – São os meios de comunicação, veículos.
Mídia eletrônica – televisão (aberta ou por assinatura), rádio e cinema.
Mídia impressa – jornal, revista e outdoor.
Mídia Interna – São inserções publicitárias de um veículo nele mesmo.
Mídia offline – Todas as mídias que não estão ligadas à Internet, como, por exemplo, TV ou jornal.
Mídia online – Internet, meio de comunicação no qual as ações podem ser feitas em tempo real.
Mineração de dados – data mining – Busca de dados, em qualquer meio, interno ou externamente à empresa, que possam ajudar na correta compreensão do meio competitivo e na tomada de decisões. A WEB é um excelente meio de se conseguir informações úteis.
Modem – Conjunto de placa e software que codifica e decodifica os sinais de computador para uma linha telefônica, permitindo a comunicação em rede.
Mouse over ou Roll  over – Termo utilizado para descrever uma determinada animação: imagens ou sinais acendem ou surgem quando o mouse é passado sobre eles.
MP3 – Formato de compressão de arquivos de som para transmissão via Internet.
MPEG – Formato de compressão de arquivos de som e imagem para transmissão via Internet.
Multimídia – Recurso que une textos, imagens, áudio e vídeo.
N
Network – Relacionada à Internet, a palavra significa rede de computadores interligados.
Newsletter ou e-letter – Notícias enviadas por e-mail. Normalmente, são enviados boletins periodicamente.
Nickname – Apelido de identificação utilizado pelos usuários na Internet.
O
Offline – Desconectado, não está ligado à Internet.
Online – Conectado à Internet o que permite comunicação e transmissão de dados em tempo real.
Operadora de cabo – Empresa responsável pela recepção, processamento e retransmissão dos sinais das tvs por assinatura.
Opt-in – Forma autorizada, e adequada, de se adquirir endereços de e-mail.  Nesta, o proprietário do e-mail fornece o seu endereço, consentindo em receber comunicação referente a assuntos de seu interesse. diferentemente do que ocorre no chamado:  Spam
Outdoor – Publicidade exterior composta de Cartazes impressos em 32 folhas.
P   
P2P – sigla de Path to Profitability, ou caminho para a lucratividade. É o conjunto de ações tomadas pelas startups para antecipar os lucros – e aumentar as perspectivas de sobrevivência da empresa. O P2P é uma das estratégias para ficar mais atrativo a novas rodadas de capital. Por isso, invadiu os discursos dos empreendedores.
Page ou página eletrônica – São as páginas que formam um site. Cada uma é um documento em formato html com textos, fotos, figuras, etc.
Page views – Número total de vezes que uma página é  visualizada pelos Internautas. Por exemplo,  4 milhões de page views  significa que a página foi aberta 4 milhões de vezes.  Para ser contabilizada, a página precisa ser aberta totalmente.
Página determinada / indeterminada – As páginas tem diferentes preços de comercialização são chamadas determinadas e indeterminadas. As determinadas tem preço mais alto, variável página a página, seção por seção. As indeterminadas tem preços mais baixo que as determinadas, variando conforme o setor anunciante (jornal). Como o nome indica, fica a critério do paginador do jornal a colocação do anúncio autorizado para esta categoria.
Patrocinador – Empresa, marca ou produto anunciante que se associa a um programa de tv ou rádio, seção de revista, jornal ou site para veicular suas mensagens, ou que se responsabiliza pelas despesas parciais ou totais de um evento, beneficiando-se com a exposição de suas mensagens publicitárias.
Patrocínio – Forma de comercialização, exclusiva ou não, de um programa de tv, rádio ou site. Em geral, o anunciante tem como direito veicular seu produto/serviço ou marca na abertura e encerramento, chamadas, vinhetas de passagem, textos foguete e comerciais nos intervalos. De forma menos freqüente, usado em mídia impressa associado a cadernos ou suplementos especiais ou cobertura de eventos, como a copa do mundo de futebol.
PDF – Portable Document Format –  Formato de arquivo muito utilizados na Internet, principalmente por não permitir fáceis alterações. Para um arquivo .pdf ser visualizado, é necessário o programa Acrobat Reader.   Utilizado com frequência nos E-books.
Penetração – Termo utilizado para definir a percentagem de pessoas de uma determinada região que são atingidas por um meio de comunicação ou que consomem um determinado produto. Exemplo: afirmar que a Internet tem um penetração de 10% no Brasil significa dizer que 10% dos brasileiros têm acesso à rede (os números são apenas para exemplo e não correspondem à penetração real).
Periodicidade – Regularidade com que é editada uma publicação, como por exemplo uma NEWSLETTER.  A periodicidade pode variar desde diária a anual, passando por edições semanais, quinzenais, mensais, bimestrais, trimestrais, etc.
Pixel – Sistema de medida utilizado na Internet. Um pixel equivale a 0,010 mm. É o menor ponto de um imagem dentro do monitor.
Plano de Negócios – (Business Plan) – Resumo descritivo de um empreendimento contendo descrição do negócio, metas, custos estimados, entre outras. É imprescindível para a obtenção de financiamento, mas não serve somente para isso. Mesmo que você não esteja procurando o investidor, o plano de negócios é uma ótima ferramenta para planejar e acompanhar a evolução do seu negócio.
Plugin – Software utilizado para complementar as funções de outro software. Por exemplo: um software de edição de imagem pode receber um plugin com um novo recurso que originalmente não existe nele.
Pop Up – Janelas flutuantes que se abrem sobrepondo a tela do browser. Muito utilizada para notícias importantes ou promoções, é considerado por muitos uma propaganda invasiva.  Para ser considerada como pop up, as janela devem ser menores que a tela do browser.
Portal – Sites que reúnem grande quantidade de informação e serviços e acabam tornando-se portas de entrada para a Internet. Os portais possuem vários canais com conteúdo específico, como chats, shopping, notícias, busca, etc.
Private equity – nome dado aos investimentos em companhias privadas que já estão em operação.
Programa – Termo genérico relativo a tv e rádio, designando transmissões, regulares ou não, de shows, novelas, filmes, noticiários, etc, e que compõem a programação de uma determinada emissora.
Programação – Conjunto de programas que compõem o repertório de determinada emissora de tv ou rádio.
Propaganda – Qualquer forma impessoal de apresentação e promoção de idéias, bens e serviços, cujo patrocinador é identificado.
Propriedade – Empresa responsável por marcas de sites na Internet. Por exemplo, a empresa Yahoo! (propriedade) é dona das marcas Yahoo! e Geocities (domínios).
Protocolo – Linguagem pela qual dois computadores interligados se comunicam. O protocolo na informática tem o mesmo significado do idioma para os humanos. Para duas máquinas se comunicarem elas devem possuir o mesmo protocolo de comunicação, assim como as pessoas precisam falar a mesma língua.
Provedor – Empresa que fornece acesso à Internet.
Proxy – Em português, significa procuração. Um servidor proxy recebe pedidos de computadores ligados à sua rede e, caso necessário, efetua os pedidos ao exterior dessa rede usando como identificação o seu próprio número IP, e não o IP do computador que requisitou o serviço.
Q     
Quadro – É uma parte do programa, cujo conteúdo é destacado do restante, até mesmo por vinhetas de abertura ou destaques especiais. Em linhas gerais é mais comum em programas de longa duração.
Quarta capa – Última capa de uma revista, também chamada de contracapa, cujo preço de tabela é superior ao das capas internas.
R   
Rádio – Meio de comunicação que compreende as empresas de radiodifusão, divididas em ondas curtas, médias (am) e freqüência modulada (fm).
Ranking – Nível, ordem ascendente ou descendente alfabética ou de valor.
Rede – Grupo de emissoras de tv ou rádio pertencentes a uma mesma empresa ou afiliadas a uma estação emissora central, que transmitem no todo ou em grande parte uma programação comum nas várias praças em que estão sediadas.
Região geográfica – Divisão do Brasil em partes, constituídas por um agrupamento de Estados.
Response rate – Número de vezes que um anúncio recebeu um clique, sempre dividido pela quantidade de impressões que o mesmo recebeu.
Revista – Meio de comunicação e propaganda impressa, de publicação periódica, em que são divulgados artigos, reportagens e outras matérias de interesse geral ou setorial. É o conteúdo editorial da revista que determina seu público, gênero e tipo de propaganda que deve nela ser inserido. Segundo a distribuição, as revistas podem ter circulação nacional ou regional.
R.O.I –  Retorno sobre o Investimento.  Índice que mede a rentabilidade de um investimento em relação ao  volume de recursos investido.
S     
Scroll – Barra de rolagem, mecanismo que permite acessar o conteúdo sem precisar mudar de tela.
Seção – É a divisão de assuntos dentro de um caderno ou site.  Veja também sessões
Seed money , – Capital fornecido à empresa num estágio pré-operacional, para, por exemplo, a construção de um protótipo, a condução de uma pesquisa de mercado, elaboração do Plano de Negócios, etc..
Segmento – Parte de um mercado que pode ser desenvolvido por um produto ou serviço.
Segmento de atuação de jornal – É o conjunto de produtos ou serviços semelhantes, que anunciam no meio jornal. Ex. : mercado financeiro, veículos, varejo, entre outros.
Segunda capa – Também denominada capa interna.
Servidor Internet – equipamento (hardware) que hospeda as páginas de um site e distribui as informações solicitadas para os computadores ligados à rede.
Serviço ao Consumidor: são serviços prestados por empresas diretamente ao consumidor final, como locação de veículos, manutenção e reparos, empresas públicas, restaurantes, transporte, telefonia, entre outros.
Serviços Públicos e Sociais: são empresas prestadoras de serviços a comunidade, como associações de classe, entidades beneficentes, administrações municipais, estaduais, federais, partidos políticos, etc.
Vários Setores: reúne campanhas de produtos e/ou serviços de mais que um setor econômico e também comunicados, fúnebres, publicidade legal e teaser.
Sessões – Visitas realizadas a um determinado site. Se o visitante navegar pelo o mesmo endereço de manhã e à tarde, as duas visitas são contadas,  mas se a volta acontecer em menos de 20 minutos, apenas uma sessão é considerada.
Shareware – Programa fornecido gratuitamente pela empresa que o produz por um determinado tempo para avaliação do usuário. Após o vencimento desse prazo, o software para de funcionar ou opera com restrições.
Seed money – Injeção de capital para dar um empurrão inicial no negócio – justamente por isso chamado de semente. Em geral, vem do bolso de angel investors ou incubadoras.
Site – Conjunto de páginas eletrônicas reunidas em um só endereço.
Startup – Mais simples, impossível. Startup é uma empresa iniciante, que está começando um novo negócio.
Slogan – Assinatura qualificativa de produto ou serviço.
Software – Programa de computador.
Spam – Envio não autorizado de e-mails, geralmente em grandes quantidades. A prática é eticamente desaconselhável e pode gerar prejuízos à imagem da empresa/pessoa que enviou (o spammer)
Star – Empresa que tem tanto sucesso que compensa por todos os fracassos e desempenhos mediados da carteira de um capitalista de risco.
SQL – A sigla significa Structured Query Language, é uma linguagem de interação com banco de dados
Suplemento – Parte integrante de uma publicação que, grampeada ou não a ela, só pode circular com essa publicação, não podendo, portanto, ser vendida separadamente.
T     
Tabela – Relação de preços de inserções de propaganda, medidas em tempo para a mídia eletrônica e em espaço para a mídia impressa.
Tablóide – Formato especial de jornal, cuja página representa a metade de um jornal de tamanho convencional.
TCP/IP – Transmission control Protocol/Internet Protocol . Protocolo de comunicação entre computadores na Internet.
Teaser – São mensagens pequenas e freqüentes de preparação de atenção para um lançamento.
Tempo por pessoa – Tempo médio que cada internauta fica conectado em um endereço.
Terceira capa – Também denominada capa interna.
Texto foguete – Texto curto de rádio, contado por palavras ou segundos. Também usado na tv, quando a locução é acompanhada de exibição da marca do anunciante, geralmente inserida diretamente sobre a imagem do evento ou programa transmitido.
Tipo – Classificação dos diferentes formatos de comercialização do espaço publicitário (vinheta, chamada, top, normal, promoção, publicidade legal, classificados, etc).
Título – Veículo de mídia impressa.
Top – Tipo de inserção cuja característica é a contagem regressiva do tempo que antecede a abertura de determinados programas.
Tráfego – Termo muito usado na internet. Quantidade de pessoas que visitam determinado site.  A geração de tráfego é um dos principais objetivos mercadológicos de qualquer negócio on-line
Tv por assinatura – Emissora de tv cujo sinal só é distribuído mediante contrato com o usuário, que paga uma taxa mensal (a assinatura) conforme o número de emissoras recebidas.
U     
Unique audience – Número de visitantes que acessam um site pelo menos uma vez em um determinado período. Por exemplo, uma unique audience de 3 milhões significa que 3 milhões de pessoas visitaram um determinado site no mínimo uma vez.
Unique visitor – ( ver Visitante único )
Universo ativo – População de Internautas que acessaram a web no mínimo uma vez durante o período de análise.
URL – Conjunto de caracteres usado para identificar uma página na Internet. Cada URL representa um endereço único em todo planeta.
User session – ( ver Sessões )
V     
Valoração – Valor monetário dado a uma inserção publicitária.
Valuation – o termo do jargão da economia define o momento em que os investidores e empreendedores sentam para definir quanto a startup vale. Com base nesse resultado, definem a quantos por cento da empresa corresponde o aporte de capital.
Veiculação – O mesmo que inserção.
Veículo – Meio, o emissor da mensagem publicitária. Pode ser uma emissora de rádio / tv ou um título de revista / jornal.
Venture capital – Capital de risco – É o dinheiro dos investidores de capital de risco. Eles colocam dinheiro em startups com grande potencial de crescimento, em troca de uma participação acionária.  Podem ter, ou não, envolvimento direto na administração da empresa financiada.
Venture fórum – Evento onde os empreendedores apresentam seus planos de negócios e propostas de financiamento para a comunidade empresarial e de investimentos.
Verba – Volume de investimento publicitário ou recursos disponíveis para uma campanha publicitária.
Versão – Nome da peça publicitária, tema central do comercial. Tem como objetivo auxiliar a identificação do comercial veiculado no trabalho de fiscalização.
Vinheta – Identificação breve do patrocinador de um programa de tv ou rádio, na abertura, passagem e/ou no fechamento de um intervalo, no qual apresentam recursos de áudio e vídeo (logotipo próprio e música).
Vírus – Programa elaborado com o objetivo de destruir arquivos ou perturbar o funcionamento de computadores.
Visitas ou visitantes – Número de vezes em que o um site é visitado por usuários.
Visitante único (unique viewer) –   Usuário com um único endereço IP (número de identificação de cada computador) registrado sempre quando o mesmo acessa um endereço)   Neste caso, as visitas são contadas apenas uma vez para cada IP address em um determinado período. Por exemplo, se você visitar 1, 5, 10 ou 1000 vezes o site da Playboy em um determinado dia, será contado sempre como um visitante único.   veja também sessões.
W     
Wap – A sigla significa Wireless Application Protocol, em português, protocolo de aplicação sem fio. Trata-se de um sistema que permite que celulares e outros equipamentos sem fio naveguem pela Internet.
Wave – Formato de arquivo de som utilizado frequentemente na Internet.
Web –  Simplificação para WORLD WIDE WEB.  Termo muito utilizado nos Estados Unidos.
Web Mail – Correio eletrônico.
Web Page – Páginas que formam um site. Cada uma é um documento em formato html com textos, fotos, figuras, etc.
Web Site – conjunto de página eletrônicas reunidas em um só endereço.
WWW –  Abreviatura de World Wide Web
World Wide Web – ( Rede de Alcance Mundial). Conjunto interligado de documentos escritos em linguagem HTML que fazem parte da INTERNET e estão armazenados em servidores HTTP ao redor do mundo.
X  
XML  –  ( E xtensible M arkup L anguage)  XML  –   Linguagem e protocolo de comunicação entre sistemas que permitem troca de informações, dados e procedimentos mesmo entre sistemas completamente distintos que poderão decodificar a  informação.

via: e-commerce.org

Publicado em Glossário | Deixe um comentário

Infográfico: História do Iphone.

Em homenagem ao lançamento mundial do iphone5.

 
via: Mashable

Publicado em Infográfico | Deixe um comentário

Consumo: Pesquisa desvenda hábitos de compra on-line da mulher brasileira.

A partir do estudo ficou comprovado que em junho, no Brasil, quase não houve diferença percentual entre a quantidade de homens e mulheres que recorreram aos sites de comércio eletrônico

Uma pesquisa encomendada pelo portal M de Mulher, da editora Abril, e conduzida pela ComScore e o Movimento Habla, traz uma resposta ampla sobre o comportamento feminino na internet. Tudo aquilo que os empreendedores virtuais sempre quiseram saber para conduzir suas ações de marketing digital e também para posicionar no mercado a loja virtual.

A partir do estudo, divulgado em setembro, ficou comprovado que em junho, no Brasil, quase não houve diferença percentual entre a quantidade de homens e mulheres que recorreram aos sites de comércio eletrônico. Enquanto eles eram 78% dos internautas, elas formavam a massa de 77% de interessadas principalmente nas áreas de moda, no que inclui-se e-commerce de joias, vestuário e acessórios, cosméticos e beleza e saúde – o impacto da vaidade no ambiente virtual já havia sido apresentado em um levantamento do Mercado Livre, onde ficou constatado que o crescimento dos dois últimos segmentos no primeiro semestre de 2011 foi de 47%.

Com os dados de navegação do público feminino com mais de 15 anos também deu para traçar o perfil da mulher brasileira: elas são as mais sociáveis e estão entre as mais conectadas do mundo (49%), atrás apenas das americanas e russas, ambas formam 51% dos usuários da internet em seus países. Por conta dessa característica, os serviços de mensagens instantâneas e as redes sociais são as páginas em que elas permanecem mais tempo conectadas.

Influência no comércio eletrônico

Todas essas informações montam um panorama importante para o comércio eletrônico. Segundo Guilherme Lunardi, diretor comercial da JET Tecnologia em Comércio Eletrônico, os empresários ficam mais seguros a investir quando conseguem medir a penetração do e-commerce no país, principalmente aqueles que vendem diretamente para as mulheres brasileiras. “Constatar que com o passar do tempo aumenta a empatia e também a familiaridade feminina com o comércio virtual é importante para balizar ações, assim como para determinar o melhor momento de investir na modalidade de negócios.”

O penúltimo relatório Webshoppers divulgado pela e-bit, empresa com informações sobre o comércio eletrônico, tinha levantado o avanço da presença feminina entre os cerca de 27 milhões de e-consumidores (até o final do ano, é estimado que esse número salte para 32 mi). De 2005 para cá, a participação das mulheres subiu 7%, ainda segundo o relatório. Por isso, Lunardi finaliza assegurando que nunca o momento foi tão propício. “Prova disso é a atuação local de empresas multinacionais, cada vez mais impressionadas com o crescimento do setor, mesmo quando a economia desacelera.”

via: Administradores

Publicado em Consumo, Tendências | Deixe um comentário

Opinião: 10 motivos para você fazer seu e-commerce.

1- Aberta 24 horas por dia. O primeiro motivo é o tempo que esta loja estará disponível para atender seu cliente. Sua loja ou negócio online funcionará 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano, sem parar! Sempre pronta para atender seus clientes.

2- Vendas sem limites: outro fator importantíssimo é que sua loja não terá fronteiras para vender. Limitações geográficas não serão empecilho. Se você mora no Piauí ou no Rio Grande do Sul, poderá vender com toda comodidade para quem mora no Amapá, Amazonas ou qualquer outra região Brasileira e até ultrapassar as fronteiras do país. Ou seja, o seu mercado não é o quintal da sua casa. Poderá vender onde você quiser.

3- Comodidade para os clientes: Uma loja online pode trazer um conforto e praticidade inimagináveis para seus clientes. Como mostrado nas linhas acima seus clientes podem comprar de qualquer lugar no mundo e a qualquer hora. Isso quer dizer que pode fazer isso sem sair do trabalho ou seu deixar o conforto do seu lar.

4- Acompanhamento de vendas: com um bom sistema você poderá ter todo controle sobre seus negócios como acompanhamento de estoque, faturamento diário, semanal, mensal ou anual. Relatório de clientes satisfeitos, eficiência de fornecedores, visitas ao seu site/loja. Essas são apenas algumas das informações instantânea que você terá com uma boa loja online, Coisa que você não teria com facilidade em uma loja física e ainda sem aquele excesso de papelada comumente encontrada nos escritórios.

5- Múltiplos estoques: a dinâmica encontrada nas vendas online permite-nos trabalhar com produtos de grande aceitação no mercado, mesmo quando são de segmentos totalmente diferentes. Este mercado é tão fascinante e prático que você pode trabalhar até com o estoque do teu fornecedor sem a necessidade de um deposito próprio.

6- Flexibilidade promocional: divulgar sua loja online e fazer promoções relâmpago é de uma simplicidade inimaginável quando comparados com os negócios tradicionais. Mostrar sua loja para pessoas em todo mundo e fazê-la ficar famosa será uma tarefa mais simples duque você pensa.

7- Igualdade de oportunidade: Na internet as empresas, grande ou pequena, tem o mesmo em espaço para trabalhar a comunicação com seu cliente. É primordial você ter uma relação transparente e muito profissionalismo garantindo ao consumidor segurança na compra e na entrega e uma satisfação no pós venda.

8- Custo baixo: Iniciar um negócio online é infinitamente mais económico que abrir um estabelecimento ou loja física. Não estou falando que não terá custos, mas se comparado com o mercado tradicional onde você paga um aluguel altíssimo pelo ponto, fatura de energia elevada, custo com contratação e treinamento de um numero maior de pessoas e uma serie de outros encargos que no e-commerce você fica praticamente isento quando fazemos uma comparação.

9- Flexibilidade de horário: para você iniciar suas atividades no e-commerce você não precisa deixar seu emprego atual, seja ele privado ou funcionalismo publico. Fazer suas atividade no inicio como paralelo é uma realidade que pode de dar frutos maiores e possibilitar uma saída mais segura do seu emprego. Claro que se você tem condições de se dedicar em tempo integral ao seu negócio, sem duvida é o que você deve fazer, pois quanto mais dedicação maiores os resultados ou mais rápido

10-Crescimento das vendas online: o e-commerce é um dos mercados mais promissores no Brasil e esta ainda engatando. Só no primeiro semestre do ano corrente, 2010, o comercio eletrônico movimentou R$ 6,7 bilhões.

Então, se você pensa em ser um empreendedor neste mercado crescente, pois agora é a hora. Não espere outro momento, faça isso hoje.

Não coloque o tempo como empecilho. Quando comecei a fazer internet marketing e comercio online trabalhavamos das 8 da manhã até as 18 ou 19 horas e ainda tínhamos faculdade até as 22:00 horas e mesmo assim fazíamos. Se você só tem duas horas por dia, pois invista essas duas horas e não tenha pressa, os resultados chegarão hora ou outra. Apenas faça em casa dia seu trabalho da melhor forma que você puder que os resultados virão com certeza.

Francisco Lima: Bacharel em Administração de empresas pela UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUI-UESPI.

via: E-commerce News

Publicado em Consumo, Opinião | Deixe um comentário

Tendências: O presente e o futuro do e-commerce mundial.

Mais um post sobre a mega-feira de e-commerce e assuntos relacionados ShopOrg.

Durante o evento, chamaram a atenção alguns pontos que foram citados com mais frequência pelos palestrantes:

1. O Social Commerce não decolou: nenhum dos cases apresentados mostrou números significativos com relação às vendas em redes sociais. Ter uma lojinha no Facebook é ter presença num ambiente com mais de 800 milhões de usuários. Nenhuma loja mostrou entusiasmo com as vendas geradas por esse canal, mesmo com esse tipo de aplicativo já usado há mais de dois anos nos Estados Unidos. Por outro lado, todos são unânimes em destacar a importância das mídias sociais como geradores de tráfego para as lojas virtuais. As pessoas gastam muito tempo nas mídias sociais e compartilham muito conteúdo. É em conteúdo que as lojas virtuais devem investir para ganhar presença no s-commerce.

2. O Mobile Commerce decolou: demorou, mas chegou a hora dos smartphones no varejo. Algumas empresas já têm cerca de 20% de suas vendas online vindas de dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Dois pontos importantes para quem quer aumentar suas vendas através de dispositivos móveis:

Mobile Shopper

• Tenha uma plataforma de e-commerce especialmente para dispositivos móveis, que identifique o tipo de dispositivo com o qual o usuário está acessando a loja e carregue uma página na formatação própria. O Movyloshop, por exemplo, é um sistema de mobile commerce que já oferece o serviço em português;

• Sites desenvolvidos em tecnologia Flash, além de não serem indexados pelos buscadores, não são lidos por iPhones, iPods e iPads. Não importa o quanto webdesigners ou agências digitais argumentem e insistam em criar páginas em Flash. Não faça.

3. O Cross Channel é a bola da vez: vários casos foram apresentados para mostrar como as redes de varejo estão se esforçando para transformar o multi channel no cross channel. Praticamente todas as médias e grandes redes de varejo americanas já oferecem aos consumidores vários canais de vendas. O passo agora é integrar todos esses canais, tendo os smartphones como catalisadores. Um aspecto importante do cross channel, bem citado pelos palestrantes, é o design organizacional. Não adianta tentar integrar canais sem mexer em sistemas de comissionamento, fluxo de processos, treinamentos e operações de lojas.

4. Flash sales: com os consumidores norte-americanos cada vez mais sensíveis aos descontos e promoções, os sites de flash sales ficam cada vez mais populares. Eles oferecem uma única oferta por dia, com descontos agressivos. Por se tratar de um sistema que acaba com as margens de lucros, muitos empresários criticam esse tipo de site. Outros acreditam que abrir mão de boa parte dos ganhos é um investimento na aquisição de novos clientes. Na verdade, são poucos os cases que mostram números consistentes sobre a fidelização desses clientes. Alguns outros números sobre flash sales:

• 65% das ofertas diárias impactam quem já é cliente da loja;

• Apenas 12% dos impactados ainda não conheciam a loja;

• 82% dos consumidores da Geração X disseram que as flash sales os levaram a experimentar novas marcas, produtos e serviços;

• O e-mail marketing é um grande aliado dos sites de flash sales. Alguns têm como estratégia disparar as campanhas às 9h30 para informar que as vendas iniciarão às 11h30.

Gilt

5. Programas de lealdade são fundamentais: fazer promoções o tempo todo não é uma boa estratégia para o longo prazo. Um dos caminhos para fugir da guerra de preços e diminuição de margens é oferecer programas de fidelidade que realmente funcionem. A Amazon, por exemplo, tem o programa Amazon Prime, pelo qual o cliente paga um valor fixo uma única vez e tem direito a frete grátis em todas as compras que fizer durante um ano (com algumas limitações de categorias). Segundo sua representante no Shop.org, o consumidor comum da Amazon gasta em média US$ 400 por ano, enquanto o consumidor do programa Amazon Prime gasta o triplo. Em uma das visitas técnicas feitas pela delegação, na Wine.com, conversamos com a VP de Marketing da empresa, que nos contou que os membros de seu programa de fidelidade gastam em média cinco vezes mais que os consumidores normais.

Ferramenta Magento de Fidelização

6. Estratégias de frete grátis: cerca de 70% das lojas virtuais norte-americanas oferecem frete grátis como parte da estratégia de vendas. Mais uma vez, é importante para as lojas virtuais se diferenciarem nos programas de fidelidade de seus clientes. Os custos de frete em algumas categorias chegam a representar mais de 12% do valor do pedido. Não há margem de lucro que resista ao subsídio de frete grátis na venda de produtos com preços competitivos.

Superexclusivo

7. Testes A/B: unanimidade entre os varejistas digitais nos EUA, os testes A/B (que mostra diferentes versões de uma mesma página para diferentes visitantes) são feitos com frequência cada vez maior, para poder consolidar taxas de conversão maiores num mundo virtual com CPCs cada vez mais inflacionados.

No que se refere às estratégias, o mercado de varejo digital nos EUA cada vez fica mais próximo da realidade brasileira. Se antes tínhamos um gap de até cinco anos entre o que era usado por lá e o que chegava aqui, atualmente essa diferença é de menos de um ano. De qualquer forma, devemos ficar atentos com o que deu certo ou não nesses 12 meses de diferença, pra não perdemos muito tempo experimentando modismos.

via: GS&MD

Publicado em Consumo, Redes Sociais, Tendências | Deixe um comentário

Tendências: Utilize vídeos na página de produtos de sua loja virtual.

A utilização de vídeos nas páginas de produtos de um e-commerce só traz vantagens ao lojista. Além de chamar a atenção dos usuários, mostra o tamanho real dos produtos e o funcionamento dos itens, tirando as dúvidas dos clientes que ficam mais suscetíveis a realização de uma compra, pois compreendem melhor as características dos produtos. É uma ótima ferramenta para alavancar as vendas!

Outra vantagem é a indexação destes vídeos nos buscadores, pois com uma boa qualidade do vídeo e com o preenchimento correto das informações, como título e descrição, fazem com que os vídeos auxiliem o trabalho de otimização para as ferramentas de busca. O uso do YouTube é recomendado para marketing nas mídias socais, a loja pode criar um canal próprio na rede social e divulgar os seus vídeos.

Lille Lingerie

Segue algumas dicas na utilização de vídeos em seu comércio eletrônico:

1) Vídeos nas páginas produtos: é nesta página que o cliente decide a compra, por isso, devem constar todas as informações, descrições, fotos e o vídeo, como recurso adicional para convencer o cliente a realizar um pedido. Nas lojas virtuais da Ciashop é possível inserir vídeos facilmente.

2) Crie layouts exclusivos para os vídeos: não insira apenas o vídeo na loja em um fundo branco, insira o vídeo em um contexto visual, pequenos detalhes no layout podem complementar o vídeo para chamar a atenção dos clientes, deixando a sua página de produtos muito mais bonita.

Superexclusivo no Facebook

3) Foco: os vídeos não precisam ser muito longos e elaborados, eles devem apenas transmitir uma idéia principal, ou seja, mostrar o produto adequadamente para convencer o cliente a adquiri-lo.

4) Público alvo: faça o vídeo pensando em quem vai assisti-lo, tanto o visual quanto o áudio devem estar de acordo comas preferências dos seus clientes.

Net-a-Porter Video Guide

5) Descrições e fotos: os vídeos não substituem os textos e as fotos, apenas complementam as informações sobre os itens expostos. Assim como os vídeos, os textos são importantes para o trabalho de otimização das páginas para os mecanismos de busca.

6) Qualidade: assim como as fotos, os vídeos desenvolvidos para a loja virtual devem ser de qualidade, mostrando os detalhes e informações relevantes dos itens.

via: Ciashop

Publicado em Tendências | Deixe um comentário